escrita





onde está a minha escrita? onde está aquela dimensão etérea que eu habitava? eu era uma noite antiga, possuía uma cidade cheia de luzes e buzinas. eu podia ser um filme, me sentia um. eu era uma noite mansa, daquelas em que todos pairam em silencio sobre a mesa. sentia meu corpo feito universo sentia que meu sangue era feito cósmico. era enorme,  tão enorme dentro de mim que ninguém podia me ver.